Atividade psíquica

Da Ontopsicologia

Por atividade psíquica[1] (psique), em Ontopsicologia, entende-se a ação base das modalidades do pensamento e da motivação do existir homem, até a exteriorização somática (o corpo é palavra, o psíquico é sentido).

A "realidade" psíquica (inconsciente, pulsões, associações, transposições oníricas, alucinações, visões etc.) deve ser entendida com a mesma concretude com a qual um físico concebe a matéria.

É um mundo subjetivo operável como:

  1. intencionalidade em antecipação a qualquer fenomenologia;
  2. pensamento ou ato já formalizado;
  3. razão ou vontade consciente;
  4. via fantasiosa, artística, onírica.

A atividade psíquica é sempre invisível. Mesmo o pensamento e a consciência são fenomenologias e não se pode ver a causa em si. Quando pensamos já refletimos: a nossa consciência lê em fenomenologia. O Em Si ôntico é a radicalidade da atividade psíquica, o projeto da natureza que constitui o ser humano (cfr. vídeo: "O que é o Em Si ôntico?").

A Ontopsicologia tem por objeto a atividade psíquica inerente à fenomenologia humana, isto é, estuda a experiência psicológica, individua as causas que a constituem e os elementos que podem resolvê-la.

A última redução que podemos fazer da atividade psíquica é a de uma "potência formalizante". A atividade psíquica pura não é tanto energia, mas é o processo de formalização.

As imagens são estruturas por meio das quais pode ocorrer qualquer variável energética. O princípio age apenas por meio da imagem.

Ao dizer "atividade psíquica", concebe-se o primeiro e fundamental mover-se do homem que, depois, efetua-se como pensamento, emoção, temperamento, caráter, memória, vontade, consciência. Concebe-se a energia base do universo, cuja propriedade é a de organizar-se intacta ao princípio, enquanto se efetua de todo modo. Enquanto produz já se reorganiza em causa, por isso, é circular ao centro.

Por "atividade psíquica", portanto, não se entende o pensamento, a recordação, a emoção, a psicossomática: estes são apenas fenomenologias da pulsão psíquica.

A psique, de per si, permanece sempre ausente a qualquer medida, mas presente como evidência.

"Psique" é ação ou uno dinâmico que se dá conjuntamente, indivisa e sem partes, por isso, de per si, pode superar as coordenadas de tempo e espaço contínuos. É ecceidade dinâmica holística.

Dá-se sempre por inteiro e age ou se move por como tende (intencionalidade).

A atividade psíquica é uma forma que presencia e especifica a ação. A dificuldade específica é que se extrínseca parte de modo consciente, parte de modo inconsciente. A parte consciente é estruturada por duas formas:

  1. sistemas ou estereótipos sócio-legais (o tipo de moral, de lingüística, de política, de educação etc.);
  2. núcleos dinâmicos inconscientes ou censurados (também a parte consciente é um efeito de dinâmica inconsciente).

Os núcleos dinâmicos do inconsciente parecem ser preponderantes em qualquer formação alógena e discrepantes da identidade orgânica do sujeito. Isto é, a atividade psíquica (a mente) tem a capacidade, tem a virtualidade de poder expor-se e efetuar-se permanecendo intacta em si mesma. Portanto, eu posso decidir fora de mim, permanecendo intacto dentro de mim. Tão logo decido o fora de mim, a atividade da mente formaliza. Formalizar significa:

"Assinalar o efeito como deve acontecer. Como deve fazer-se."

Quero lembrar o conceito da interferência do monitor de deflexão. Esta incidência manipula o natural excursus da efetuabilidade entre atividade psíquica e emoção. Ou nós conseguimos colher as causas na atividade psíquica ou, operando quando as emoções estão expostas, é tarde demais.

Referências

  1. MENEGHETTI, Antonio. Dicionário de Ontopsicologia. 2 ed. rev. Recanto Maestro: Ontopsicologica Editrice, 2008. ISBN 978-85-88381-41-4
Ferramentas pessoais