Campo Semântico

Da Ontopsicologia

O campo semântico[1] é uma comunicação anterior a todas as outras formas de comunicação (verbal, gestual etc.). Constitui-se como a forma primordial de conhecimento e interação que todo ser humano possui, ainda que inconsciente para a maioria. Nesta obra, editada pela Ontopsicológica Editora Universitária, o autor descreve e aprofunda características e efeitos desta que é a primeira das descobertas da Escola Ontopsicológica.

Índice

Prefácio

Capítulo Primeiro:
O CAMPO SEMÂNTICO NA CONCEPÇÃO ONTOPSICOLÓGICA

  1. Informação e cifremática
  2. A investigação do real para o homem
  3. O conceito de "campo"
  4. O "campo" na pesquisa
  5. a cifremática do real
  6. Matemática e empirismo existencial
  7. Universo semântico e função
  8. A variável constante
  9. O percurso científico da história
  10. O critério da pesquisa
  11. Ação e informação
  12. Campo e logística da ação
  13. Autoinvestigação do pesquisador
  14. O campo semântico
  15. O conhecimento do real
  16. A introspecção psicológica das imagens
  17. O real formal
  18. Especularidade e constante H
  19. O papel da psicoterapia de autenticação
  20. Síntese conclusiva

Capítulo Segundo:
CAMPO SEMÂNTICO LINGUÍSTICO E CAMPO SEMÂNTICO ONTOPSICOLÓGICO

Capítulo Terceiro:
CAMPO SEMÂNTICO E CONHECIMENTO

  1. A objetividade da subjetividade
  2. Informação de natureza e conhecimento organísmico
  3. O critério de verdade
  4. O campo semântico como reforço ao critério científico
  5. A leitura do campo semântico como recuperação do princípio operativo do conhecimento
  6. O campo semântico como critério em psicoterapia

Capítulo Quarto:
CONFORMAÇÃO E PERCEPÇÃO DO CAMPO SEMÂNTICO

  1. A fenomenologia do campo semântico
  2. Formação e percepção do campo semântico
  3. Campo perceptivo e conhecimento
  4. Campo semântico e removido
  5. A transdução informática
  6. Esquema conclusivo

Capítulo Quinto:
ENERGIA E TRANSDUÇÃO FORMAL

  1. Transdução informática e módulo receptor
  2. Campo semântico e estereótipos
  3. A metanóia ontopsicológica

Capítulo Sexto:
DO AMBIENTE TOTAL À COMUNICAÇÃO DIÁDICA

  1. Individuação e ambiente total
  2. O hipercampo ou agente universal
  3. O código de sentido da realidade
  4. Interação, metabolização, conhecimento

Capítulo Sétimo:
A DESCOBERTA E A EXPERIÊNCIA OPERATIVA DO CAMPO SEMÂNTICO

  1. Primórdios da pesquisa da Ontopsicologia
  2. A descoberta do campo semântico
  3. A verificação clínica
  4. Esclarescimentos psicoterapêuticos
  5. A seleção do complexo
  6. Vetorialidade e programação

Capítulo Oitavo:
SÍNTESE CIENTÍFICO-PROSPECTIVA DOS CAMPOS SEMÂNTICOS

  1. Comunicação e psique
  2. Precisações sobre o campo semântico segundo a Ontopsicologia

Capítulo Nono:
CAMPOS SEMÂNTICOS E REALIDADE QUOTIDIANA

  1. A dimensão do inconsciente
  2. Buracos negros e mediadores energéticos
  3. A resposta à necessidade
  4. Preconstituição do receptor e estruturação organísmica
  5. A subjetividade auto-cognoscitiva

Capítulo Décimo:
O CAMPO SEMÂNTICO NO RELEVO PSICOBIOLÓGICO E PSICOTERAPÊUTICO

  1. O homem como ponto-força de um campo-rede
  2. Paráfrases sobre a remoção
  3. O inconsciente semântico no ambiente familístico
  4. Anterioridade histórica e orgânica sobre os processos conscientes
  5. Teses
  6. Exposição de casuística sobre a esquizofrenia
  7. Inconsciente familístico e descarga patológica
  8. O campo semântico do removido: a resistência
  9. Os deslocamentos da agressividade e da sexualidade
  10. Autonomia de ressonância e estrutura psico-práxica
  11. Reencarnação
  12. a rede de comunicações familiares
  13. Palavra, emoção, psicoterapia
  14. Informação e biologia
  15. A projeção artística de semânticas exógenas
  16. O campo semântico na descrição neurobiológica
  17. Aplicações ao campo semântico
  18. A informação orgânica como medianicidade de intenção
  19. Campo semântico e distonia existencial
  20. Proprioceptividade do receptor
  21. Sociedade e responsabilidade do indivíduo

Bibliografia

Além de inúmeros cientistas citados diretamente na monografia Campo Semântico, tais como Albert Einstein, Aristóteles, Arquimedes, Berkeley, Bridgman (Nöbel 1946), Euclides, Kurt Gödel, Immanuel Kant, Lobacevskij, La Place, H. G. Gadamer, Poincaré, Parmênides, Ivan Pavlov, Pitágoras, Protágoras, Santo Agostinho, Werner Heisenberg, entre outros, Antonio Meneghetti faz referência às seguintes obras em sua pesquisa para a descoberta do campo semântico conforme entendido pela escola ontopsicológica:

  • Edmund Husserl, A crise das ciências européias e a fenomenologia transcendental, Haag: Martinus Nijhoff, 1976.
  • C. Levi-Strauss, Anthropologie structurale, Paris 1958.
  • H.G. Gadamer, Wahrheit und Methode, Tubingen 1960.
  • S. Ullmann, The Principles of Semantics. A Linguistic Approach to Meaning, Glasgow/Oxford 1951
  • Jost Trier, Aufsätze und Vorträge zur Wortfeldtheorie. Paris 1973.
  • T.E. Bearden, Unusual energy and fantastic weapons, 1976/1977 in Energy unlimited; Solution of the foundamental problem of quantum mechanics, Defense Documentation Center, January 3/77; Photon quenching of the paranormal (time), Channel: a brief note, Defence Documentation Center, 10 April 1977.
  • L. Kervran, Biological transmutations, Swan House Publishing Co., Birghamton, N.Y. 1972; Distant intercellular interaction in a system of two tissue cultures, Psychoenergetic System, vol.1, n.3, March 1979, pp.141-142; The many-worlds-interpretation of quantum mechanics, Princeton University Press; L. Kervran, American Journal of Physics, vol.43, n.1 January 1975;
  • P. Tompkins-C. Bird, La vita segreta delle piante, SugarCo: Milão, 1975;
  • S. Freud, Abrégé de Psychanalyse, P.U.F.: Paris, 1950; Metapsychologie, Gallinard, Paris 1952.
  • K.V. Sudakov, Biologhiceskie motivacii, Izdatelstvo Medicine: Moscou, 1971; Le motivazioni biologiche, Giunti Barbera: Firenze, 1976.
  • R.V. Speck-C.L. Attneave, La terapia di rete, Astrolabio: Roma, 1976.
  • B.D. Lewin, Psicanalisi dell’euforia, Guaraldi: Bologna, 1971.
  • S. Freud, ; Psicologia delle masse ed analisi dell’Io, Boringhieri: Torino, 1975.
  • B.F. Skinner, Studi e ricerche, Giunti: Firenze 1976.
  • P.C. Dodwell, Prospettive della psicologia, Boringhieri: Torino, 1976.
  • S. Nacht, S. Lebovici, M. Bouvet, R. Diatkine, J.A. Faureau, P. Luquet, Parat, R. Held, J. Anjura-Guerra, J. Garcia Badaracco, P.C. Racamier, La psychanalyse d’aujourd’hui, P.U.F.: Paris, 1956.
  • J. Pontalis, Dopo Freud, Rizzoli: Milão, 1972.
  • G. Groddeck, Il linguaggio dell’Es, Mondadori: Milão, 1975.
  • A. Yardley, La scuola e l’infanzia: le sensazioni e sensibilità, Giunti: Firenze, 1976.
  • M. Sperling, in Intern. Journal Psychoanal., XXXI, 1950.
  • T. Giani Gallino, Il complesso di Laio, Einaudi: Torino 1977.
  • M. McLuhan-Q. Fiore, Il medium è il massaggio, Feltrinelli: Milão, 1968.
  • R. Spitz, Il primo anno di vita del bambino, Giunti: Firenze, 1962.
  • A. Lorenzer, Nascita della psiche e materialismo, Laterza: Bari, 1976.
  • S. Giannitelli, Sé ed espressione: condizioni, sviluppo della regolazione energetica e partecipazione somatica, in Rivista di Psicoanalisi, XXII, 3, 1976.
  • F. Vester, Il pensiero, l’apprendimento e la memoria, Giunti: Firenze, 1976.
  • C.L. Hull, Principles of behavior, Appleton Century-Crofts: New York, 1943; Essentials of behavior, Yale University Press: New Haven, (Conn.) 1951.
  • J.W. Atkinson, Motivational determinants of risk-taking behavior, Psychol. Rev., vol.64, 1957, pp.359-372.
  • D. Birch, The dinamics of action, Wiley & Son: New York, 1970.
  • M. Palazzoli Selvini, La famiglia dello schizofrenico; G. Benedetti, Psicodinamica e psicoterapia della schizofrenia paranoide; F. Fornari, L’Io nelle psicosi schizofreniche, in Atti del II corso di aggiornamento su problemi di psicoterapia - La psicoterapia delle psicosi schizofreniche, Milão, 1963.
  • C.G. Jung, Psicologia ed educazione, Astrolabio: Roma, 1947; Psicologia della schizofrenia, Newton Compton: Roma, 1972
  • J.H. Weakland, Etiology of schizophrenia, Basic Books: 1960.
  • M. Schatzman, La famiglia che uccide, Feltrinelli: Milão, 1976.
  • M. Cardinal, Le parole per dirlo, Bompiani: Milão, 1976.
  • S.Vegetti Finzi, Storia della psicanalisi, Zanichelli: Bologna, 1976.
  • S. Resnik, Persona e psicosi, Einaudi: Torino, 1976.
  • M. Balint, Friendly expanses-horrid empty space, Intern. Journal Psychoanal., 1945.
  • E. Berne, Analisi transazionale e psicoterapia, Astrolabio: Roma, 1972.
  • E.T. Hall, Il linguaggio silenzioso, Bompiani: Milão, 1969; La dimensione nascosta, Bompiani: Milão, 1968.
  • O.M. Watson, Comportamento prossemico, Bompiani: Milão, 1972.
  • L. Fantappiè, Il finalismo originato dalle scienza esatte, in Il valore della fine del mondo, Sansoni: Firenze, 1955.
  • E. Schrödinger, What is life?, Sansoni: Firenze, 1947.
  • P. Teilhard De Chardin, La reflexion de l’energie, Rev. Quest. Scient., Paris 1952
  • N. Bohr, I quanti e la vita, Boringhieri: Torino, 1965.
  • R. Pierantoni, Riconoscere e comunicare. I messaggi biologici, Boringhieri: Torino, 1977.
  • M. Focault, Storia della follia nell’età classica, Rizzoli: Milão, 1976.
  • M.R. Rosenzweig-A. Lemain, Psicologia fisiologica, Piccin: Padova, 1986.
  • M. Focault, Io Pièrre Riviere, avendo sgozzato mia madre, mia sorella e mio fratello..., Einaudi: Torino, 1976.
  • F.G. Alexander-S.T. Selesnick, Storia della psichiatria, Newton Compton: Roma, 1975.
  • M. Todeschini, Psicobiofisica, MEB: Torino, 1978.
  • E.W. Russel, Rapporto sulla radionica, MEB: Torino, 1977.
  • J. Wilcox, Radionic theory and practice, Herbert Jenkins Ltd.: London, 1960
  • E.W. Russel, Design for destiny, Neville Spearman Ltd.: London, 1971; Ballantine Books Inc.: N.Y., 1973
  • Abrams Ambert, New concepts in diagnosis and treatment, The Philopolis Press: San Francisco, 1916.
  • L.L. Vasiljev, Esperimenti di suggestione mentale, MEB: Torino, 1977.
  • Platão, Fedro, in Tutte le opere, Sansoni: Firenze, 1983.
  • P.L. Berger-T. Luckmann, La realtà come costruzione sociale, Il Mulino: Bologna, 1974.
  • I. Illich, Nemesi medica. L’espropriazione della salute, Mondadori: Milão, 1977.

Referências

  1. MENEGHETTI, Antonio. Campo Semântico. 3 ed. Recanto Maestro: Ontopsicologica Ed, 2005. ISBN 85-88381-26-5
  2. MENEGHETTI, Antonio. Manual de Ontopsicologia. 4 ed. rev. Recanto Maestro: Ontopsicologica Ed, 2010. ISBN 978-85-88381-52-0

Ligações externas

Ferramentas pessoais